IMG_1323

Mobilização começou nesta quinta-feira, 03, no Campus Caraúbas e na próxima semana será a vez de Angicos, no dia 09 e, depois em data a ser confirmada nos Campi de Mossoró e Pau dos Ferros.

Por Passos Júnior

Panfletagem com fixação de cartazes e faixas nas dependências da Universidade Federal Rural do Semi-Árido. A estratégia está sendo utilizada pelo SINTEST-RN/UFERSA e pelo Diretório Central dos Estudantes – DCE – para alertar a comunidade acadêmica sobre a importância do cumprimento da decisão do CONSUNI no que se refere à consulta prévia para indicação de reitor, vice-reitor e diretor dos campi. A mobilização começou nesta quinta-feira, 03, pela UFERSA Caraúbas. O mesmo trabalho será realizado no Campus Angicos, no dia 09 e, em data ainda a ser defina no Campus Central, em Mossoró e, em Pau dos Ferros.


​        “Queremos alertar sobre a decisão tomada pelo CONSUNI ratificando que estamos atentos para o cumprimento da resolução tomada pelo Conselho Universitário ao adotar o voto paritário na consulta prévia”, informou o coordenador Setorial Geral do SINTEST/UFERSA, Francimar Honorato. O Sindicato e o DCE decidiram intensificar a mobilização em prol do cumprimento da resolução do CONSUNI após indicativo para o não cumprimento da resolução. “A comunidade acadêmica não mais aceita a consulta prévia com o peso diferenciado, ou seja, 70% para professores e 30% para servidores técnico-administrativos e estudante”, explicou.


​Durante toda manhã, representantes do SINTEST/UFERSA e do DCE percorreram as dependências do Campus Caraúbas explicando a importância do voto paritário. “O não cumprimento da resolução representa uma preocupação, daí a importância dessa mobilização no sentido de sensibilizar professores, servidores e estudantes para a causa do voto igualitário. Estamos unidos pela paridade que já é uma realidade com a decisão do CONSUNI que deve ser respeitada”, opinou o servidor, Alex Nunes, técnico em Tecnologia da Informação, em Caraúbas.


​Alan Bessa, que além de servidor técnico administrativo lotado na Biblioteca do Campus Caraúbas e também estudante de Direito na UFERSA, é sensível a conquista. “Não resta dúvida que é uma conquista muito importante para os servidores e estudantes que passam a contar com uma participação política igualitária, consequentemente, equânime. A paridade é uma vitória legitima que não pode ser perdida, exerce-la na sua plenitude representa uma universidade mais democrática”, opinou o servidor e futuro advogado.


​A grande maioria dos estudantes está consciente sobre a importância da paridade e, principalmente, para o cumprimento da decisão do CONSUNI. “Antes, o voto do aluno não valia quase nada. Acho essencial. Esta luta representa mais democracia na UFERSA”, opinou o estudantes de Ciência e Tecnologia, Bruno Barros.


​Francisco Augusto, também do curso de Ciência e Tecnologia, é favorável ao cumprimento da decisão do CONSUNI. “Como aluno devemos valorizar a nossa participação na escolha dos dirigentes da Universidade. Não apoiar a paridade significa abrir mão do nosso direito como aluno e, inclusive, como cidadão também, pois é como se diminuísse a nossa participação dentro da universidade”, considerou.

Galeria de Imagens

 

 

 

Comente pelo Facebook